Dicas importantes para conhecer o Machu Picchu

O Machu Picchu, uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno, é um dos locais mais visitados do Peru. Se você está planejando visitar o lugar nas próximas férias, preparamos algumas dicas valiosas para organizar sua viagem!

1. Como Chegar ao Machu Picchu

Chegar em Cusco significa que você está na metade do caminho para o Machu Picchu, que fica em Águas Calientes.
A mais fácil é de trem. Apenas duas empresas operam na região: Inca Rail e Peru Rail. Essa também é a opção mais cara. Os preços não são fixos e é bom marcar assim que você comprar o ingresso do Machu Picchu.
A jeito mais barato é de van, que vai até a hidrelétrica e de lá, os turistas caminham cerca de quatro horas até chegar ao Machu Picchu. Não é preciso marcar com antecedência e há muita gente oferecendo o serviço. Eu evitaria fazer o trajeto dessa maneira em períodos de chuva.
Já para quem procura uma imersão real, existem trekkings que duram entre 4 e 5 dias. São as trilhas Inca, que para em alguns sítios arqueológicos ao longo do caminho, e a Salkantay, que tem foco nas belezas naturais da região e paisagens de cair o queixo. Também é interessante marcar antes.
Eu escolhi ir de trem. Fiz o passeio para o Vale Sagrado, em Ollataytambo, e não retornei com a van para Cusco. Fui para estação e peguei o último trem para Águas Calientes.
Falamos mais como como chegar lá neste post.

2. Quando ir ao Machu Picchu

Esse foi o momento com mais visibilidade pela manhã

 

Já pensou andar tanto para conhecer o Machu Picchu e não conseguir ver nada por conta da chuva? Pois bem. Isso quase aconteceu comigo. Fui em novembro, peguei o ingresso no primeiro horário, às 6h, e subi feliz para ver o sol nascer. Só que tudo estava coberto por nuvens e chovia muito. Choveu durante QUATRO fucking horas seguidas e eu fiquei ensopada.
O sol abriu por volta do meio-dia e fez um dia lindo, com direito a arco-íris ao lado das ruínas. Foi um dos momentos mais felizes da minha vida, mas e se tivesse chovido o dia todo? Certamente seria uma das maiores frustrações dessa encarnação.
Pois bem. Saber como vai estar o clima é fundamental na hora de marcar uma viagem ao Peru, que tem um verão chuvoso e um inverno seco. O período entre maio e setembro é a melhor escolha, já que quase não há dias chuvosos. As chuvas acontecem entre novembro e março, sendo os meses de janeiro e fevereiro os com maiores índices pluviométricos.

Julho e agosto são os meses de alta temporada do Peru, então tudo vai estar bem cheio! No dia 24 de Junho é comemorado o solstício de verão, quando acontecem celebrações especiais e muita gente planeja a viagem para esta data.

3. Compre os ingressos antes

Ao todo, 2.500 ingressos estão disponíveis para quem quer conhecer o Machu Picchu . Já para quem deseja ir além das ruínas e fazer a trilha por uma das montanhas, o número cai para 400 por dia e esses costumam esgotar.
Especialmente nos meses mais movimentados ( entre junho e agosto), é melhor comprar o ingresso online. A maneira mais barata de comprar o ingresso é pelo site do Ministério do Turismo. As agências naturalmente cobram uma taxa que encarecem a compra. Demos todas as instruções aqui.

4. Qual o melhor horário

As filas para o ônibus começam antes do sol nascer

 

Na hora de comprar o ingresso você vai precisar escolher o horário de entrada. Existe um consenso de que o primeiro horário, às 6h, é a melhor opção. Assim, você pode ver o sol nascer e ainda não tem tanta gente.
Quem vai subir uma das montanhas obrigatoriamente inicia o dia por elas e, ao retornar, tem que passar pela mesma entrada principal para ir às ruínas da cidade perdida. Nesse caso, realmente o melhor é começar o dia às 6h da matina mesmo.

O tempo de permanência nas ruínas é de quatro horas. Como falei, peguei bastante chuva e ter ido tão cedo não fez diferença. Acho que a dica é válida para o inverno, quando não chove.
Para chegar até a entrada, existem ônibus a partir das 5 da manhã saindo de Águas Calientes. Às 4h da manhã já tem gente na fila. Cada trecho custa $12 dólares. Comprei o da ida na noite anterior, quando cheguei na cidade. O da descida comprei na hora. Também é possível subir e/ou descer caminhando.

5.Pernoite em Águas Calientes

Cusco é a cidade base para todos os passeios, inclusive algumas pessoas fazem bate e volta de trem para o Machu Picchu. Algo que acho BEM cansativo. Cheguei em Águas Calientes na noite anterior, onde fiquei no Perumanta. Sai do hotel por volta das 4h30, eles foram bem fofos e deixaram o café da manhã pronto para levarmos.

Para quem, além das ruínas, vai fazer uma das montanhas eu aconselharia ficar mais uma noite. Minha amiga fez e voltou exausta.

6. O que vestir

 

Sabe look blogueirinha com vestidos longos esvoaçantes e saltinhos? Pois é. Nem perca seu tempo.

Coloque um bom tênis de trilha ou um sapato que dê segurança para caminhar, já que o caminho é feito por muitas escadarias de pedras ou apenas terra, uma calça tipo legging que permita mobilidade, uma blusa de frio com uma mais fininha por baixo caso esquente. Em tempos de chuva, ter uma jaqueta impermeável é sempre bom.

7.O que levar na mala

Como você vai voltar para Cusco, nem de mala vai precisar. Quase todos os turistas deixam a mala maior no hotel em Cusco e seguem apenas com uma mochila para Águas Calientes com coisas necessárias para um ou dois dias.

Além da muda de roupa, leve protetor solar, protetor labial, 2 litros de água, óculos de sol e lencinhos umedecidos.
É imprescindível levar uma mochila para o dia da visita ao Machu Picchu. Na minha levei o café da manhã, o que foi ótimo, já que a única lanchonete por lá é super cara! Uma empanada e um café saíram por quase 50 Soles! Apenas tenha o bom senso de colocar o lixinho de volta na bolsa. 😉

8. Leve documentos

 

 

Além do ingresso impresso, leve um documento de identidade, que é obrigatório para entrar no Machu Picchu. A Carteira de Identidade é aceita normalmente, mas o legal é levar o passaporte que pode ser carimbado na saída ❤

9.Preste atenção às regras

Segundo o Ministério do Turismo do Peru, o país recebeu quase 1.5 milhões de turistas entre janeiro e abril de 2019, um número 2.9% maior se comparado ao mesmo período do ano passado. O destino mais procurado, claro, é o Machu Picchu.

Existem sentimentos conflitantes em relação a essa procura. Há todo o lado positivo da movimentação econômica ( geração de empregos, maior circulação de dinheiro, etc.), mas também há um receio que o Machu Picchu, que existe há mais de quatro séculos, seja deteriorado pelo turismo desenfreado.
Por isso, as regras de visitação mudam constantemente e devem continuar mudando até que seja encontrada uma solução em que todos saiam ganhando. Então fique atento quando for viajar. Em 2019, algumas partes do sítio arqueológico foram proibidas para turistas, mudaram os horários de visitação, etc.

Tente se informar, ler as letras miúdas com as regras no ingresso e seguir todas elas. Certeza que todo mundo deseja que o Machu Picchu resista por mais alguns séculos.

10.Mal de Altitude

 


O Machu Picchu fica a mais de 2.400 metros acima do nível do mar. Então é normal que nosso corpo sinta alguns efeitos.

Para amenizar, tome bastante chá de coca e masque as folhas. Cheirar água florida, uma mistura feita com várias ervinhas sagradas também alivia. Ela é utilizada também para espantar os maus espíritos e livrar do mau olhado, então é bom usar de qualquer forma, né? hahaha Custa 5 Soles em qualquer farmácia. Muita gente também toma um remédio chamado soroche pills.
Enquanto você estiver sentindo os efeitos da altitude, coma coisas leves, evite carne vermelha e álcool.

11.Contrate um guia

É impossível entender o Machu Picchu se você estiver sem guia. Cada lugar tinha um significado e funcionalidade diferentes e, por isso, ter alguém que explique tudo lança uma nova luz sobre o lugar. Para quem desenrola espanhol, tem vários oferecendo o serviço na entrada.

 

12. Aproveite a energia do Machu Picchu

 

Óbvio que você vai tirar todas as fotos de turista empolgado, caminhar pelas ruínas…. Mas uma das coisas mais legais é afastar-se da multidão e sentir-se pequenininho contemplando aquilo tudo. Estar ali é um momento único, por isso, aproveite o momento e aprecie de verdade tudo aquilo.

13.O que não fazer no Machu Picchu

  • Não leve tripé para câmera ou drone;
  • Não alimente os animais do local. Muitos turistas fazem isso para atrair os bichinhos para fotos. Além de não ser permitido, você ainda corre risco de dar algo que faz mal a eles,
  • Não vá para áreas onde há sinais de proibido pisar ( É irritante o número de pessoas fazendo isso);
  • Não tente subir nas ruínas para tirar fotos;
  • Não largue seu lixinho por aí, coloque tudo na mochila;
  • Não monopolize um lugar legal para fotos de você ver que tem um monte de gente esperando.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: